Receptores gustativos do sabor amargo estão localizados nos pulmões


A Descoberta Inesperada PODE revolucionar o Tratamento da asma e Outras Doenças pulmonares obstrutivas

Pesquisadores da Universidade de Maryland descobriram that Receptores fazer sabor amargo NÃO APENAS estao localizados na boca, mas also nsa pulmões Humanos. A Descoberta PODE revolucionar o Tratamento da asma e Outras Doenças pulmonares obstrutivas.

A detecção de Receptores de sabor não FUNCIONAMENTO da musculatura dos brônquios Lista dos pulmões foi Tão Inesperada Que estávamos, não Início, CETICOS Bastante. Os Receptores gustativos were encontrados POR Acidente, Durante hum Estudo de Receptores musculares that regulam a contração EO Relaxamento muscular das vias Aéreas Caminhos Por onde Entra e sai o ar, em Uma das varias ETAPAS Críticas do Processo de Fornecimento de Oxigênio Pará como Células do Corpo . Na asma, o músculo liso das vias Aéreas se de feridas, impedindo o Fluxo de ar, causando chiado no peito e falta de ar.

Os Receptores gustativos nsa pulmões São OS mesmos existentes na língua, encontrados em grupo NAS papilas gustativas parágrafo captar e enviar Sinais Ao cerebro. No pulmão, OS Receptores Não São Agrupados em Gemas e tambem nao enviam Sinais Ao Cérebro, embora respondam a substancias com gosto amargo. EntreTanto, OS Pesquisadores observaram that uma RESPOSTA E hum pouco diferente fazer that ocorre na língua.

Aconteceu that OS Compostos amargos trabalharam sem oposto SENTIDO fazer Que se pensavaávamos. Todos abriram como vias Aéreas de forma Mais Ampla that QUALQUÉR droga conhecida that TEMOS PARA O Tratamento da asma Doença pulmonar obstrutiva OU Crônica. A Observação PODE ter implicações parágrafo Novas terapias. Novas drogas parágrafo TRATAR a asma, enfisema OU bronquite Crônica São Necessárias e ISSO PODE OU substituir melhorar O Que Já está em OSU, REPRESENTANDO Uma abordagem Completamente nova.

Outro aspect paradoxal da Descoberta E o inesperado papel that o Cálcio exerce Sobre os Receptores do pulmão when Estes São ativados. O aumento de Cálcio NAS Células musculares lisas causa uma contração das mesmas, mas descobrimos that Compostos amargos de Cálcio aumentam o Relaxamento das vias de forma Única.

FONTE: University of Maryland

Anúncios

Piercings e alargadores na região bucal podem representar risco á saúde


A aplicação dos acessórios pode causar problemas irreparáveis, para saúde dos dentes e gengiva, e muitos especialistas contra-indicam seu uso.

Os piercings em regiões de tecidos moles, como a língua e os lábios, não são recomendados pelos dentistas – a língua é um músculo de superfície rugosa, por causa das papilas gustativas, o que favorece o acúmulo de bactérias – esses microrganismos podem utilizar a perfuração do piercing como porta de entrada para infecções de ordem sistêmica, podendo gerar sérios comprometimentos no organismo do individuo.

Muitos pacientes que possuem piercings em lábios podem desenvolver defeitos na região do atrito da peça com o dente e/ou com a gengiva. Por ser sólido (aço cirúrgico, na maioria das vezes), o piercing promove fricção com a superfície da gengiva e do dente, provocando retração gengival, exposição da raiz, ou até mesmo, desgaste dos tecidos dentais.

Quando o uso dos piercings está aliado a jovens que têm o hábito de fumar, o risco ao desenvolvimento de doenças bucais é ainda maior. Na maioria das vezes, o indivíduo que aplica esse tipo de peça não tem o costume de ir ao dentista ou de escovar os dentes. Geralmente os pacientes que possuem piercings somente deixam de utilizá-los após se confrontarem com os danos causados por eles.

FONTE: O Fluminense

As pastas de dente clareadoras funcionam?


Os dentes ficam realmente mais brancos quando escovados com pastas de dente com substâncias clareadoras?

As pastas dentais disponíveis no mercado muitas vezes possuem abrasivos, que atuam na remoção mecânica de manchas, promovendo uma limpeza superficial, sem alterar a cor dos dentes. Grande parte das pastas dentais clareadoras possui na sua composição peróxidos. Essa substância é a mesma utilizada nos géis para clareamento, porém em uma concentração muito menor. Devido a sua baixa concentração e o curto tempo de contato com os dentes, atuam apenas como auxiliar, facilitando a remoção de manchas pelos abrasivos.

Outras substâncias presentes na pasta dental como antimicrobianos p. ex. trilosan não tem efeito na remoção de manchas, porém inibem o desenvolvimento da placa e sua conseqüente evolução, prevenindo assim o aparecimento de manchas.

Dessa forma, a pasta clareadora não altera a cor verdadeira dos dentes, porém contribui na limpeza dental e prevenção de manchas, mantendo a cor natural dos dentes.

Agora, se você deseja que os seus dentes fiquem ainda mais brancos e procura por um resultado mais efetivo, o tratamento odontológico mais indicado é o Clareamento Dental.

Atualmente, dois métodos de clareamento são utilizados com mais freqüência pelos dentistas: Clareamento Caseiro e o Clareamento a Laser.

– Clareamento Caseiro: também conhecido como Clareamento com Moldeira, é um procedimento realizado em casa, onde se utiliza uma moldeira de silicone que é feita a partir dos dentes do paciente.
Coloca-se um gel clareador dentro dessa moldeira e aplica-se sobre os dentes por algumas horas por dia. Os pacientes geralmente preferem utilizar suas moldeiras depois do jantar e antes de dormir.

O resultado do tratamento é percebido em 1 ou 2 semanas, observando-se uma mudança significativa na coloração dos dentes.

– Clareamento a Laser: Essa é a técnica mais rápida e eficiente usada atualmente, e diferente do Clareamento Caseiro, esse tratamento é realizado no consultório odontológico com o auxílio de um laser. O procedimento é feito através da aplicação nos dentes de um gel clareador mais concentrado que o gel utilizado no clareamento caseiro, cujo efeito é potencializado pela utilização de uma luz halógena, LED ou laser. Em apenas uma sessão de aproximadamente 40 minutos, o paciente já percebe o resultado.

Ambos os tratamentos devem ser realizados e acompanhados por um dentista, sendo mais recomendados os profissionais especialistas em estética dental ou dentística restauradora.

FONTE: Pingado

Roer as unhas é prejudicial para a formação dos dentes


Roer as unhas é um hábito muito comum na adolescência e pode ser o resultado ou o sintoma final de manifestações corporais advindas de algum tipo de mal-estar psíquico, como por exemplo, o estresse e a ansiedade.

Essa “mania” (na verdade um hábito repetitivo) é muito nociva a saúde dentofacial e, muitas vezes, já está presente desde a infância. Ela pode, inclusive, prejudicar os dentes, pois a força exercida para roer as unhas pode alterar o posicionamento de dente(s), gerando ou mesmo agravando uma anomalia dentofacial – um problema ortodôntico no linguajar popular – já pré-existente.

Esse ato, pela sua repetitividade, pode também, em pacientes que sejam suscetíveis, induzir a um fato muito preocupante como o processo de reabsorção dos ápices (pontas) das raízes dos dentes envolvidos.

Resumindo, a onicofagia (roer unhas) é um hábito nocivo, gerado, via de regra geral, a partir de comportamentos ansiosos, tensos e nervosos. Fora do contexto puramente bucal, a onicofagia pode, ainda, gerar processos infecciosos nas pontas dos dedos, ao redor das unhas ‘roídas’.

FONTE: Revista Vigor

Porque os dentes não crescem como os cabelos?


Dentes e cabelos são estruturas que já se formam no útero materno,  porém   possuem constituição, função e forma de desenvolvimento diferentes.

Os dentes se formam a partir de células do epitélio bucal e outros grupos de células que constituem  uma estrutura chamada lâmina dentária, onde serão implatados, em primeiro lugar, os dentes chamados  decíduos, ou seja, os 20 dentes de leite. Logo depois, é formada uma segunda lâmina dentária chamada  lâmina de substituição  onde irão se formar  os dentes permanentes que substituirão os dentes de leite. Apesar dos bêbes nascerem sem dentes, estes  já se encontram nas diversas fases de desenvolvimento no interior da estrutura óssea das arcadas dentárias. Nos primeiros anos aparece a dentição decidual ou de leite e mais tarde a dentição permanente. Tanto a lâmina dentária como a lâmina de substituição iniciam sua função na sexta semana pré natal e continuam até os 15 anos com a formação dos terceiros molares.

Os cabelos são um tipo de pelo. Os pelos são estruturas constituídas por um maciço de queratina, um tipo de proteína, que são produzidas pelo folículo piloso, estrutura que fica na derme (camada profunda da pele). Estima-se que haja cinco milhões de folículos pilosos no corpo de um adulto. No couro cabeludo, que é a pele que reveste o crânio, há 100.000 destes folículos pilosos produzindo o cabelo. Vale lembrar que cada pelo cresce de um único folículo.

O crescimento dos cabelos é feito por ciclos. O primeiro ciclo compreende o crescimento ativo  do cabelo. Costuma durar entre três a seis anos, no couro cabeludo. O segundo período, que tem duração de mais ou menos três semanas,  é o período em que há uma parada  de replicação das células que produzem a queratina de formação do cabelo. O terceiro período é fase em que o cabelo cai, ou seja, se desprende do canal que o segura a raiz do folículo. É bom lembrar que cada fio de  cabelo está numa fase diferente, já que, se todos os cabelos estivessem na mesma fase, a cada final de um ciclo de crescimento haveria uma perda de cabelo total e a  pessoa ficaria calva.

Como podemos observar, os dentes se formam definitivamente como serão por toda nossa vida ainda no utero, porém esta forma definitiva só aparece após o nascimento e com nosso desenvolvimento. Já os cabelos tem as células que o formam trabalhando de forma diferente, fazendo com que cada folículo que o produz tenha um ciclo para crescimento por isso sempre teremos alguns fios caindo e outros crescendo.

FONTE: iGeduca

Nascimento do siso pode gerar várias complicações


Quem já não sofreu com dores decorrentes do dente siso? É verdade que algumas pessoas têm a sorte de não enfrentar esse incômodo, mas, na maioria das vezes, o terceiro molar, como também é chamado, causa dores antes mesmo de aparecer.

Seguindo uma ordem cronológica, o siso é o último dente permanente a surgir, aparecendo parcialmente ou não (semi-incluso ou incluso).

Não adianta ter somente um siso na arcada superior, se o correspondente inferior não nascer. Ambos devem estar totalmente evidentes e alinhados para que não perderem sua função mastigatória. Caso contrário, o melhor a fazer é procurar um profissional e extraí-lo.

Popularmente conhecido como dente do juízo, o siso pode causar uma série de problemas, como dores locais, na região da face, nuca e cabeça. O processo inflamatório pode vir acompanhado de infecção, acarretando aumento do volume da gengiva ou até mesmo no lado externo da face. Cáries nos sisos e nos dentes vizinhos (segundo molar) são muito freqüentes, porque a higienização é dificultada em decorrência do aumento da gengiva, que encobre o dente.

Um dos problemas mais sérios é a reabsorção do dente vizinho ao siso, ou seja, a destruição gerada por seu processo de nascimento. O dente exerce uma pressão no osso e nas estruturas vizinhas (gengiva e raiz), podendo provocar sua destruição, que é irreversível. Mas isso não ocorre em uma fase inicial, na maioria das vezes, depois dos 30 anos. É um processo lento e progressivo, geralmente decorrente de pessoas que não procuraram ajuda profissional.

Tumores benignos ou malignos também podem ocorrer, embora em menores proporções, assim como a perda de cabelos, devido a alterações do processo circulatório geral.

A mudança de hábitos alimentares, com o consumo maior de produtos industrializados, tem levado as pessoas a exigir menos dos músculos da face, fazendo com que eles trabalhem cada vez menos. Sanduíches, cremes, alimentos pastosos, legumes e verduras, os fast foods contribuem para que os dentes sisos causem transtornos. Já as frutas são ótimas opções para a higiene bucal.

No entanto, ele aponta a evolução da raça humana como o grande salto para que esse problema seja menos freqüente. Filhos de pais que não apresentam dentes sisos têm muito mais chances de repetir essa tendência e isso vem acontecendo cada vez mais.

Mas as pessoas têm que se conscientizar da necessidade de uma avaliação odontológica, desde o início da adolescência, capaz de diagnosticar a existência ou não do siso. Caso contrário, ele vai causar problemas no futuro.

FONTE: Site Médico

Herpes Labial


O que é o herpes?

O herpes simples e uma doença infecto-contagiosa causada por um vírus chamado Herpes hominis virus. Existem dois tipos de vírus do herpes simplex: o tipo 1 e o tipo 2. Geralmente, o tipo 1 e responsável pelos casos de herpes labial, e o tipo 2, pelo herpes genital.

Como acontece a transmissão do vírus?

A infecção pelo herpes se da através do contato direto com leves infectadas pelo vírus. Esse primeiro contato se da, invariavelmente, durante a infância.
A situação mais comum de contagio é aquela em que algum dos pais (ou parentes próximos) é portador do vírus, apresenta as lesões em lábio e entra em contato direto com a pele da criança.

O que acontece depois que a criança se contamina?

Após o contato com as lesões, a pessoa passa por uma fase de incubação do vírus, que dura em torno de 10 dias. Após esse período, algumas crianças podem apresentar a primo-infecção herpética ou estomatite herpética primaria. Essa fase e marcada por manifestações clínicas, como febre, mal ester geral, irritabilidade, cefaleia, perda de apetite e linfadenopatia.

A seguir, podem surgir bolhas na boca, nos lábios e na pele em torno dos lábios. Logo as bolhas se rompem, formando ulceras extremamente dolorosas e sangrantes. O quadro clinico tem resolução espontânea em cerca de 15 dias. Apesar da severidade da manifestação primaria do herpes, apenas 1% dos pacientes que são infectados pelo vírus desenvolvem a doença clinica: 99%, apesar de infectados, não apresentam sinais ou sintomas clínicos.

Mas não são os adultos que apresentam a doença com mais frequência?

Sim. Na verdade, são poucas as crianças que apresentam as lesões em pele ou boca. Após o contagio inicial (tendo ou não apresentado as manifestações clinicas ), o vírus fica “dormente” dentro do | organismo e só volta a apresentar manifestações clinicas a partir da adolescência. As manifestações clinicas que acontecem na fase adulta ocorrem pela reativação do vírus que estava “dormente” e estão, geralmente, ligadas a queda de imunidade.

Quais as causas da reativação do vírus?

Alguns fatores desencadeantes comuns são: febre, exposição ao sol, distúrbios gastrointestinais, trauma mecânico, estresse e períodos menstruais.

Como são as lesões recorrentes?

As manifestações secundarias não são tão graves como as da primo-infecção. As leves restringem-se, na maioria dos casos, a região perioral ou perinasal, aparecendo na forma de pequenas bolhas que estouram e são recobertas por uma crosta durante o processo de cicatrizado. O curso clinico da estomatite herpética secundaria finda em torno de 8 dias.

Existe cura para o herpes?

Não, mas existe tratamento. O tratamento visa diminuir a frequência com que os episódios ocorrem. Atualmente, os tratamentos envolvem drogas como o aciclovir, empregadas de forma local e sistêmica, e aplicações de laser de baixa intensidade.