Evidências comprovam ligação entre a inflamação na gengiva e o Alzheimer


Pesquisadores descobrem prova de que a doença periodontal contribui para a inflamação do cérebro e para a neurodegeneração.

Dentistas da New York University, nos Estados Unidos, encontraram a primeira prova de longa duração de que a doença periodontal (na gengiva) pode aumentar o risco de disfunção cognitiva associada à doença de Alzheimer em indivíduos saudáveis, bem como naqueles que já estão cognitivamente alterados.

O estudo oferece novas evidências de que a inflamação gengival pode contribuir para a inflamação do cérebro, para a neurodegeneração e assim, para a doença de Alzheimer.

A equipe, liderada pela pesquisadora Angela Kamer, analisou 20 anos de dados que suportam a hipótese de um possível nexo de causalidade entre a doença periodontal e a doença de Alzheimer.

“A pesquisa sugere que os indivíduos cognitivamente normais com inflamação periodontal têm um risco aumentado de menor função cognitiva em comparação com indivíduos cognitivamente normais com pouca ou nenhuma inflamação periodontal”, disse Kamer.

As últimas descobertas de kamer são baseadas em uma análise de dados sobre a inflamação periodontal e a função cognitiva em 152 indivíduos no Glostrop Aging Study, que tem reunido dados médicos, psicológicos, sociais e de saúde bucal entre homens e mulheres dinamarqueses.

A equipe de pesquisa comparou a função cognitiva nas idades de 50 e 70 anos, utilizando o Digit Symbol Test (DST), uma parte da medida padrão do QI adulto. O DST avalia a rapidez com a qual os participantes podem ligar uma série de dígitos, como 2, 3, 4 a uma lista correspondente de símbolo dígitos pares, como 1 / -, 2 / – … 7 / ?, 8 / X, 9 / =.

Kamer descobriu que a inflamação periodontal aos 70 anos de idade estava fortemente associada com menores marcas de DST. Indivíduos com inflamação periodontal tiveram nove vezes mais chances de se saírem pior no DST em comparação com indivíduos com pouca ou nenhuma inflamação periodontal.

Esta forte associação se mostrou verdadeira mesmo em indivíduos que tinham outros fatores de risco ligados à menor pontuação DST, incluindo a obesidade, tabagismo e perda de dentes alheios a inflamação da gengiva. A forte associação se aplica também nos indivíduos que já tiveram uma pontuação baixa em DST aos 50 anos de idade.

O plano de Kamer é realizar um estudo seguimento que envolve um grupo etnicamente mais diversificado e maior para continuar a analisar a ligação entre a doença periodontal e a baixa cognição.

FONTE: Science Daily

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s